Arapongas

Sistema Guardião, Polícia Federal
21/10/2011
15:33
Homem Não-Identificado 1 entra em contato com Homem Não-Identificado 2.

HNI1: Fala, meu senador!
HNI2: E aí, rapaz! O que você me conta de novo?
HNI1: Tudo velho, tudo velho…
HNI2: Ainda tomando uns banhos em Pirenópolis?
HNI1: Nada, cansei de cachoeira. Voltei pra cidade, mas vou pegar levar a meninada para pegar uma onda esse fim de semana. Dá para usar tua casa de praia?
HNI2: Dá, dá. Patroa tá boa?
HNI1: Tá nada, tá dona encrenca como sempre. E dia desses ainda encontrei a Claudinha, aquela ex minha, lembra? Quem sabe… (risos)
HNI2: Ha ha ha, boa. Recomendo, viu? Trocar de mulher foi a melhor decisão da minha vida. Isso e me eleger. Cogito até galgar degraus maiores agora, sabe?
HNI1: Gostei de ouvir essa ambição. Se precisar de uma ajuda… Aliás, falando em ajuda.
HNI2: Que foi?
HNI1: Preciso de uns conselhos. Sabe aquele… “amigo” nosso?
HNI2: Qual deles?
HNI1: O magrão.
HNI2: Ah, sei. O que trabalha lá na Fazenda?
HNI1: Isso.
HNI2: Que que tem?
HNI1: Eu acho que vou precisar dar um presente a ele.
HNI2: Ué, por que?
HNI1: Porque ele andou me fazendo uns favores aí. Cercou umas paradas que eu precisava, sabe? Sem falar de quando ele me alertou sobre o problema com aqueles troços de araponga.
HNI2: Ah, foi ele?
HNI1: Foi.
HNI2: Rapaz, ele merece um presente mesmo então. Depois que você me avisou desse troço, eu fui olhar. Não é que também tinha na minha área?
HNI1: Tô te falando, tem mais lugar seguro não.
HNI2: Pois é. Uai, preciso pensar. Vamos tomar um café?
HNI1: Vamos. Naquele perto do velho bingo?
HNI2: Isso.
HNI1: Tô descendo pra lá.
HNI2: Ok, abraço.

==========================================================================================

BRASÍLIA, 2 DE DEZEMBRO DE 2011 – A Polícia Federal prendeu nesta terça-feira Teodoro Medeiros, 52, e Alcebíades “Senador” Gorgulho, 56. Os dois são acusados de participar de um esquema de corrupção que envolveria funconários do Ministério da Fazenda e o uso de informações privilegiadas. Eles também teriam acesso a informações de dentro da polícia sobre investigações em curso.

Segundo a PF, os dois foram flagrados em escutas telefônicas autorizadas pela Justiça discutindo o pagamento de propinas a Francisco “Magrão” Alves, 39, chefe da quadrilha preso na semana passada. Magrão nega participação no esquema, alega inocência e diz sequer conhecer os dois presos nesta terça-feira.

Medeiros disse à polícia que houve um engano, e que o número de telefone dele não bate com o grampeado pela polícia por um dígito: o alvo da escuta acabaria em 9, e seu número em 6. Disse também que havia pedido apenas uma sugestão do amigo – que chama de senador como piada desde que este foi eleito subsíndico do condomínio – sobre como recompensar um dos peões de seu sítio por trabalhos feitos no local, incluindo o fim de alguns pássaros que atacavam sua horta.

O delegado Clístenes Bispo, responsável pela operação, descartou os argumentos dos dois presos. “Seria muita coincidência”, alegou, reforçando que os dois teriam criado um código específico para conversas ao telefone e já suspeitavam de grampos anteriores. Ele também afirmou que a esposa de um dos presos, após ler o grampo, confirmou a participação do marido nos crimes.

Os dois foram transferidos para o presídio federal que fica em Rondônia.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Crônicas do Opinioso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s