As Cousas do Mundo (e seu eterno retorno)

Andei lendo Nietszche, e nada de bom pode vir disso, mas não vem ao caso. Só cito a questão porque lembrei, enquanto lia sobre a teoria do Eterno Retorno, da atualidade de algumas coisas que se repetem no Brasil com mais frequência do que deveriam. E vão continuar se repetindo, pelo andar da carruagem. Abaixo, Gregório de Matos – poeta maior e ídolo pessoal – elucida meu raciocínio com seu texto, acreditem, do século XVII.

As Cousas do Mundo

Neste mundo é mais rico o que mais rapa:
Quem mais limpo se faz, tem mais carepa;
Com sua língua, ao nobre o vil decepa:
O velhaco maior sempre tem capa.

Mostra o patife da nobreza o mapa:
Quem tem mão de agarrar, ligeiro trepa;
Quem menos falar pode, mais increpa:
Quem dinheiro tiver, pode ser Papa.

A flor baixa se inculca por tulipa;
Bengala hoje na mão, ontem garlopa:
Mais isento se mostra o que mais chupa.

Para a tropa do trapo vazo a tripa,
E mais não digo, porque a Musa topa
Em apa, epa, ipa, opa, upa.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Desabafo, Poesia?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s