Sonetinho

O clima pesou um pouco recentemente aqui no blog. E por isso, como prometido, hoje tem poesia! Adianto que não manjo nada do assunto, sou talvez das mais prosaicas pessoas que vocês conheçam. Mas decorei dois poemas em toda a vida: um de Camões (que já coloquei aqui no blog uma vez – em um contexto jornalístico, eu juro) e o Soneto de Fidelidade, do poeta e boêmio maior Vinicius de Moraes. Qual não foi, portanto, minha surpresa em perceber que este último, com algumas heréticas adaptações, pode tranquilamente nos fazer lembrar de uma situação das mais cotidianas. Deixo portanto abaixo minha versão. Espero que se identifiquem e usem, à vontade, quando a situação lhe ocorrer. Pode declamar mesmo, com todo o pulmão. O original está aqui.

Soneto (do plano) de fidelidade


Em tudo a ti, amigo, recorro e tento

Antes, e com tal medo, e sempre, e tanto

Que mesmo em face do maior desconto

Dele se enoje mais meu pensamento


Quero vivê-lo, mas é vão tormento

Sempre na linha, espero e canto

Nervoso riso, sarcasmo, pranto

Por seu pesar ou seu entendimento


E assim, quando mais tarde eu procure

Talvez  Procon, angústia de quem vive

Quem sabe a Justiça, fim de quem clama


Eu possa lhes dizer do que obtive

Que não funciona, pois nunca chama

Mas cobra em dia enquanto dure.


(Marcelo Parreira / Vinicius de Moraes)

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Poesia?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s