A Revolta do Post-It

Demorou, mas veio. Mais um texto que começou com intenção de ser feito para stand-up, mas ficou pela metade. Achei que tinha mais cara do blog, sabe? Estrutura muito semelhante à de um texto que publiquei, salvo engano, ano passado, sobre um hipotético sequestro do Lula. Chama “Terrorismo”, e acho que vale a pena procurar no blog. Talvez (eu disse talvez) eu o atualize em outro momento. Por ora, fiquem com “A Revolta do Post-It”.

A Revolta do Post-It

Eu li uma notícia absolutamente irrelevante, mas me fez pensar em algumas coisas que eu queria dividir com vocês. O Palocci… Vocês lembram do Palocci, né? Aquele que sacaneou o caseiro. Então, ele agora é ministro da Casa Civil. E aí ele assumiu o cargo agora e resolveu transferir da Casa Civil para o Ministério da Justiça o comando do Arquivo Público Nacional. Foda-se, né? Tenho nada com isso, uso o Google, pode passar pra quem quiser. Só que rolou uma treta, os arquivistas do país todo não gostaram. Teve um que deu entrevista, disse que o maior risco é que o arquivo volte a ser um mero depósito de documentos. Duplo foda-se, sempre achei que um arquivo fosse exatamente isso. Mas eu sou leigo, os caras que mexem com isso estão putos, estão fazendo um abaixo-assinado, na época da notícia tinham 1500 assinaturas, o que eu imagino seja a população de arquivistas do Brasil.

Eu vou confessar minha preocupação, e eu estou aqui para dividí-la com vocês. Porque eu acho que o governo vai fazer igual a gente, ou seja, vai mandar um combo de foda-se para esse assunto. E isso pode ser terrível. Vamos lembrar o que é um arquivista: é um cara que estuda uns quatro anos na faculdade para aprender basicamente a guardar coisas. O trabalho dele é saber onde está tudo guardado. Agora vamos ao pior cenário possível: o governo não atende aos pedidos dos arquivistas. Eles viram motivo de piada nacional. Começa a revolta, que entra para os livros de história como “Revolta do Post-It”.

No primeiro dia, todos os processos contra políticos no Supremo Tribunal Federal são desarquivados e vazados num site. Estilo Wikileaks, mas uma página seca, sem firulas e sem foto daquele loiro com cara de “me come”. É tanta coisa que entope completamente os ventiladores do país inteiro. O Congresso entra em desespero. Eles tentam conter o estrago, mas já está tudo virando Trending Topics no Twitter, disputando de perto com nomes de BBBs e “NósAmamosJustinBeiber”. Surgem fotos da vice-primeira-dama praticamente pelada (fucking yeah!). Em protesto contra a atuação do Executivo no caso, oposição e base “aliada” aprovam o Bolsa-Tio, um acréscimo à verba indenizatória direcionado à sustentação das “sobrinhas” dos parlamentares. A bolsa (de valores) cai.

No segundo dia, desarquivam as notas fiscais de todos os parlamentares. Aparece de tudo: hotel, motel, bordel (vulgo puteiro). Mais: aparecem as atas das reuniões no Congresso. Caos! As suspeitas são confirmadas: Maluf tem sim conta na Suíça, o Suplicy está mesmo gagá, o Lula cortou o próprio dedinho para se aposentar, Sarney pinta o bigode, metade do Congresso curte algum tipo de droga (alguns até ouvem axé em casa). Por algum motivo, nenhum documento assinado por Tiririca aparece no meio. A bolsa sobe.

No terceiro dia, a Polícia Federal começa a investigar os vazamentos, mas é desacreditada quando os jornais recebem um arquivo que mostra que os nomes das operações da PF eram todos criados por um programa de computador. Começa a adesão de anarquistas cibernéticos aos arquivistas (“só de zua”), reunidos em um evento maligno e misógino nomeado “Campus Party”. Vírus são criados e disseminados na rede com o único propósito de trocar todos os nomes das pastas dos computadores. O ato gera caos na administração pública, já que ninguém mais consegue acessar o Free Cell. A bolsa para de funcionar após cair 30% porque todos as siglas que nomeiam as empresas de Eike Batista são trocadas por palavrões abreviados.

No quarto dia os ministros do STF se reúnem para discutir o pedido de prisão de todos os envolvidos, mas batem boca após a revelação de folhas salariais de capangas no Mato Grosso e fica por isso mesmo. Com o fim do repasse de recursos públicos, Une e Ubes (essa você não deve saber o que é, mas nunca vai te fazer falta essa informação) convocam estagiários de todo o país na adesão à causa. Post-its são trocados de computador, etiquetas de gavetas de armários e arquivos físicos são invertidas. Sem folha de ponto para marcar hora extra, funcionários do Congresso entram de greve e ninguém nota.

No quinto dia, o governo resolve decretar estado de sítio. Um fracasso. As Forças Armadas não aderem devido a um acordo com os rebeldes, que garantiram que os arquivos da ditadura permanecerão fechados para sempre. Igrejas, ameaçadas com recentemente desarquivados evangelhos apócrifos, fingem que não estão nem aqui. Jornais radicalizam: alguns apoiam a contratação por times nacionais de jogadores brasileiros velhos e gordos por salários milionários, outros condenam. Alguns ainda divulgam páginas de rodapé sobre a revolta, com medo da ameaça de divulgação das verbas de publicidade.

No sexto dia acaba o movimento e tudo volta aos caos normal. Porque revolta no sábado não dá, né, gente?

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Crônicas do Opinioso, Idéias para Stand Up

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s