Perder (ou Como cair em um blefe)

Poucos jogos podem ser tão interessantes quanto o pôquer. Complexo, envolvente, desafiante. Não é de se espantar que vicie com tanta frequência. A emoção do momento, a adrenalina, a taquicardia. Até quem não pratica com frequência eventualmente verá a si mesmo tremendo, inebriado, diante do jogo perfeito.

Não é fácil, de fato, entender o funcionamento do pôquer. A chave está na concentração, na atenção seletiva, no detalhe. Compreender a linguagem corporal dos demais participantes e controlar a própria são elementos fundamentais para o sucesso. Uma piscada na hora errada, um suspiro que escapa, e o jogador estará fadado à derrota.

Que, aliás, é outro fator importante. A possibilidade da derrota, no pôquer, está relacionada ao que o jogador se permite perder. Quanto mais ambição, maiores as chances de uma queda vertiginosa. Assim, a aposta demonstra ao mesmo tempo o que o jogador está disposto a deixar, mas dá sinais também da sua força no jogo. Não se pode tremer diante de uma derrota. Aquela história de cair em uma batalha, mas não dar a guerra por encerrada. Saber perder no pôquer é tão importante quanto saber ganhar.

E ainda existe o blefe. Ah, o blefe! Um dos motivos para o pôquer ser um dos jogos mais psicológicos. E divertido. Não há nada certo em uma mesa de pôquer. O outro jogador pode ter tudo ou nada. Pode dar a entender que tem tudo ou que não tem nada. Pode, deliberadamente, mentir. Às vezes, a ilusão passa como verdade, para ser revelada somente após a proclamação da vitória. Mas às vezes, só às vezes, o outro jogador percebe o truque, e tudo vem abaixo. Por isso a aposta no blefe é tão arriscada.

Já terá percebido o atento leitor de que não trato somente do pôquer aqui. Tenho apreço por jogos de cartas, mas valorizo ainda mais o amor. Que, no final, acaba sendo um grande exercício de armar e de se virar com o que a sorte permite.

O grande jogador, é claro, pode ganhar até mesmo com as piores cartas. Outros podem ter uma mão perfeita, mas tremer diante de um blefe e cair. Tudo depende do que se coloca em jogo. Saber perder no amor também é tão importante quanto saber ganhar.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Crônicas do Opinioso

Uma resposta para “Perder (ou Como cair em um blefe)

  1. Poquer é um dos poucos jogos de cartas em que não se depende exclusivamente da sorte nas cartas. Uma vitória pode começar em um blefe no flop e terminar num surpreendente Full House no river.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s